Maurício Vasconcellos e seu olhar visionário sobre negócios

LIFE STYLE
Junho 30.2016

 

Gabriella Negromonte e Maurício Vasconcelos

 

Bate-papo com Maurício Vasconcelos, criador e proprietário da empresa TJ – Tamu Junto Entretenimento – responsável pela criação e execução das festas de Ano Novo e de Carnaval em São Miguel dos Milagres, Alagoas.

Nosso bate-papo aconteceu no dia 02 de janeiro de 2016, na casa do próprio Maurício, em São Miguel dos Milagres – o lugar tem uma das vistas mais incríveis que já vi. Eu esperei ansiosamente por sete dias para entrevistá-lo e valeu cada segundo. Maurício Vasconcelos é definitivamente um nome para se ter em mente, não há dúvidas que o Brasil vai continuar ouvindo muito falar dele.

Empreendedor jovem, visionário com ideia sustentável de um negócio que movimenta milhões: ele prefere manter o negócio pequeno para não danificar a região. Poucos são como ele no Brasil e sua conduta empresarial deveria se tornar um viral entre jovens empresários.

A entrevista segue abaixo:

Gaby – Maurício, parabéns pelo evento! Fiquei surpresa com sua estrutura. Vocês esgotaram os ingressos em 20min quando os colocaram a venda na internet e foram considerados, pela terceira vez consecutiva, como um dos melhores Réveillons do Brasil. Como tudo isso começou?

Maurício – Eu estudei na FAAP em São Paulo e sempre gostei de reunir turmas. Foi daí que nasceu o Tamu Junto. Trazia os amigos para cá e nos anos seguintes os amigos queriam trazer os amigos e então resolvi fazer uma festa, que seria para 50 convidados e terminou que no final foram para 500 pessoas. No ano seguinte, resolvi fazer uma festa mais organizada em Maceió e o que era para ser uma festa para 500 convidados tornou-se para 1500. Depois disso, conversei com minha família e resolvi levar a sério essa coisa de festa, comecei a organizar eventos em Milagres e criei a TJ – Tamu Junto Entretenimento.

Gaby – A gente percebe nos eventos que a turma tem um alto nível, até porque o combo não é barato e o custo da viagem toda tampouco. Você tem uma preocupação de não popularizar o evento?

Maurício – Acho que temos um valor justo. Você que experienciou as festas, achou justo o que pagou?

Gaby – Acho que vale cada centavo. Fui a todos os eventos e não vi faltar nada durante toda a noite: uma superestrutura para nos receber, uma boa música. Aliás, tudo muito bem organizado e planejado. Fiquei impressionada.

Maurício – Não comportamos um grande número de convidados ainda devido à infraestrutura do local, então tentamos manter um nível para que possamos ter um evento deste porte.

Gaby – Como começou a parceria com a Fish Fire?

Maurício – Eles começaram produzindo uma festa e hoje produzem todas, ficando com uma percentagem do lucro das festas. Foi uma parceira que deu e tem dado certo. Passamos o ano aqui organizando tudo.

Gaby – Fiquei muito impressionada com todo o projeto sustentável do evento. Conversei um pouco com Felipe Bastos e Walmy Becho sobre isso. Gostaria que você também me falasse sobre esse projeto.

Maurício – Sempre tive uma preocupação de fazer um evento sustentável e não causar danos ao meio ambiente da minha região. Você deve ter notado que temos coleta seletiva por todos os lados nos eventos. Existem pessoas que as coletam sempre e levam para um setor criado em cada espaço de eventos para limpar e deixá-los prontos para reciclagem. Temos também uma Fossa de Vapotranspiração, inédita no país, que trata a água de banheiros e esgotos dos eventos. Existe uma qualificação do ISO chamada bandeira azul, que é a maior qualificação que uma praia pode ter. Enquanto Portugal possui mais de 100 praias com essa qualificação, o Brasil possui apenas 3. Estamos lutando para ter essa qualificação e acredito que com o nosso projeto vamos alcançar esse objetivo.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Felipe Bastos e Walmy Becho

 

Gaby – Como você consegue fazer todo esse projeto sustentável durante o ano todo? As propriedades são alugadas ou são suas propriedades?

Maurício – Todas as propriedades do evento são minhas e de minha família, o que facilita a viabilização do projeto.

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Um pouco do projeto sustentável de Milagres

 

Gaby – O seu atendimento nos eventos é muito cordial, e isso me chamou muita atenção. Você faz algum preparo de atendimento com seus funcionários e pessoas da comunidade?

Maurício – Venho de uma família com histórico na área de hotelaria, mas nosso trabalho não é sobre atendimento e sim sobre valores. O valor da nossa terra, do nosso trabalho, das nossas praias, enfim, trabalhamos o ano inteiro com a comunidade nesse sentindo e vem dando certo.

Gaby – E nesse evento, quantos ingressos foram vendidos no total?

Maurício – Dois mil ingressos. Eu poderia ter vendido mais mil e ganhado mais dinheiro, mas se eu superasse a capacidade local de atender o público do evento faltaria água, energia e não é isso que eu quero. Buscamos fazer um trabalho em que o público saia satisfeito e queira voltar, e, se eu fizer isso, meu público não volta. Estamos trabalhando com a comunidade para atender um maior número de pessoas, e, quando isso for possível, o faremos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

DJ Pedro Almeida tocando no Pôr do Sol da Farofada

 

Gaby – É impressionante como seus eventos movimentam essa comunidade. Conversei com muitos nativos e todos têm um respeito e um carinho enorme por você e seu trabalho. Quanto o seu evento movimenta na região?

Maurício – Nosso evento movimento em torno de 100 milhões, pois existem milhões de entidades envolvidas: empresas aéreas, aluguéis de carros, aluguéis de casa, restaurantes, energia, água, etc.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sambinha no Bar de Praia

 

Gaby – Você quase não faz publicidade do evento e tão pouco usa famosos para atrair pessoas para cá. Então, qual o segredo do sucesso do Réveillon dos Milagres?

Maurício – Eu sou muito criterioso e me empenho muito em tudo que faço. Gosto de tudo bem feito e organizado, sou perfeccionista. Mas acho que o segredo não está em trazer famosos, não quero essa publicidade, o segredo é a experiência proporcionada não só pelos eventos, mas pelo local. O que queremos é fazer as pessoas se surpreenderem e quererem voltar.

Gaby – E vocês conseguem mesmo. Já quero voltar próximo ano! E o que esperar do primeiro ano do Carna Milagres?

Maurício – Queremos trazer um pouco de volta os carnavais antigos. Teremos bloco de rua, vai ser diferente do Réveillon. No Réveillon vemos muitos grupos vindo, mas a intenção do Carna Milagres e atrair pessoas sozinhas para interagir com outras e não grupos.

*Os amigos que foram para o CarnaMilagres amaram!!

Gaby –E para o Réveillon do próximo ano, o que podemos esperar?

Mauricio – Um Réveillon ainda melhor que esse ano, pode ter certeza.

Gaby – Mal posso esperar!

*Todas as fotos estão na nosso sessão de eventos! Vale a pena conferir essa farra!!!

*Não deixem de ler a matéria: http://gnegromonte.com/diario-de-uma-milagreira/

*Os Ingressos do Réveillon dos Milagres já estão a venda! Para mais infos seguem os links abaixo:

Tudo sobre o Réveillon de Milagres e CarnaMilagres: http://www.reveillondosmilagres.com.br

Fotos: Gabriella Negromonte e amigos

 

Share This: